Açores | Ilha das Flores

Há dias em que me custa acordar cedo, há outros que se adivinham especiais e quando chego ao aeroporto e vejo um painel cheio de destinos, sei que vá para onde vá, vou ser feliz.
Desta vez o despertar foi às 3h45e às 6h30 estava a embarcar no primeiro avião rumo às Flores (Açores).

Os voos não são directos, e implicam algumas escalas, assim o primeiro destino foi Ponta Delgada onde houve troca de avião, acho que foi a primeira vez que me sentei num Bombardier (Q400).
A 2ª escala foi na Horta, desta vez para largar e receber passageiros. Não tive de mudar de avião mas aproveitei para mudar de lugar e me pôr à janela, já que na viagem anterior só tinha conseguido ver de “esguelha” o Pico e São Jorge.

Mais um pouco nas nuvens e finalmente o último destino dos primeiros três dias… Flores!

Notas principais:
Fiquei alojada no Hotel Ocidental [*precisa de ser melhorado, já que está parado no tempo].
Para visitar a ilha não há outra hipótese que não seja alugar um carro, a ilha é pequena, mas não está preparada para ser toda visitada com outro meio de transporte [*só de táxi, mas sai caro]

1ª dia | Depois do check-in no hotel e de alugar o carro parti à aventura em direção ao norte da ilha. Houve passagem pela Fajã da Ponta Ruiva, Ponta Delgada, Farol de Albarnaz e depois decidi rumar a sul até à Laje das Flores, ao final da tarde regressei a Santa Cruz. Maior dificuldade do dia encontrar um restaurante e aberto. 

2º dia | O S. Pedro pregou-me uma bela partida porque tinha destinado que este dia seria para ver a parte mais ocidental da ilha e as suas belas lagoas. No entanto o dia amanheceu com chuva e nevoeiro cerrado que tomou conta de toda a ilha. Assim debaixo de chuva apenas consegui ir Fajãzinha, Fajã Grande, Ponta da Fajã parando no Poço do Bacalhau [*um sitio simples e muito bonito]. Lagoas nem vê-las.

3º dia | Em Santa Cruz das Flores, o dia começou ainda com algum nevoeiro, mas rapidamente percebi que estava a mudar e que ia conseguir ainda que rapidamente, ver o que não tinha conseguido no dia anterior, mas… assim que me pus ao caminho novamente para a parte mais ocidental da ilha percebi que o nevoeiro continuava cerrado, que o vento era ainda mais forte que no dia anterior e que por isso não ia ter muito sucesso [* mas não desisti]… parei por duas vezes no miradouro da Rocha dos Bordões [*não vi nada], arrisquei caminhar até ao Poço da Alagoinha [* valeu a pena, ainda que envolto em algum nevoeiro é uma beleza natural linda], decidi começar a subir em direcção às lagoas, mas rapidamente ai percebi que não havia nada que pudesse fazer, não ia conseguir ver nada. Regressei a Santa Cruz das Flores, e decidi parar só nos miradouros em que era possível ver alguma coisa, pelo menos registei a ilha.

Para terminar o dia em beleza, depois de 2horas de atraso, o meu voo foi cancelado devido ao imenso vento que se fazia sentia e que não permitiu a aterragem do avião que me vinha buscar, assim tive de ficar mais uma noite por aqui… [*agora no Hotel das Flores que pertence ao Inatel... Isto sim é um hotel]

Vamos ver como corre amanhã… para já ficou adiada a ida à ilha Terceira já que vou voar directamente para Ponta Delgada. Toca a fazer figas com os dedos, para conseguir sair da ilha!!!

Sem comentários