Santiago de Compostela | Dia 2 – De Valença a Redondela (~ 32km)

O dia começou logo às 6h da manhã, o sol ainda não tinha nascido, mas a nossa vontade de começar a trilhar o caminho era imensa. Pusemos as mochilas às costas e lá fomos nós. Seguimos o conselho dos bombeiros e iniciamos o caminho dentro da fortaleza de Valença [*desconhecia e é lindo], cruzámos a fronteira pela ponte [*foi bom sentir os raios de sol a atravessarem o nosso caminho] e rapidamente estávamos em Tui [*perdemos uma hora, porque em Espanha o fuso horário é diferente].

Ponte Valença
Primeiro marco do Caminho de Santiago em Tui

Seguimos maravilhados com o caminho, fizemos uma primeira paragem no “Ribadelouro" para o pequeno almoço e obtivemos o nosso primeiro carimbo na credencial [* aqui cruzámos-nos à séria com os primeiros peregrinos].

Ribadelouro "Asociación Galegos Amigos do Caminó"

Depois desta paragem seguimos caminho. Encontramos alguns lugares mais belos que outros, e por estar marcado de forma diferente evitamos um caminho que se desviava do caminho original e onde se podia ler “Beautiful” [*devíamos ter seguido pelo desconhecido e assim evitávamos 2 km de zona industrial em cima de alcatrão].

Siga pela direita

O almoço foi a meio da etapa em O Porriño, foi bom para recuperar forças, mas nem sabíamos o que ainda estava para vir… a partir dali foi quase sempre ou estrada nacional, ou então a subir [*após Mos a subida até Santiaguiño de Antas foi violenta]. Mas como tudo o que se sobe tem de se descer, não sei o que me custou mais, os últimos km a descer faziam-me doer cada osso e dedo do pé, e aqui já começava a desconfiar que o meu dedo mindinho não se ia safar sem uma bolha.

Chegámos a Redondela, e já só pensávamos no Albergue, e lá estava Ele a olhar por nós, nesta primeira etapa, quando chegámos já só haviam 4 lugares, e dois seriam ocupados por nós, e os últimos dois por um casal de peregrinos português do Porto que marcou também o nosso caminho.


Esta primeira noite acabou por ser partilhada, na sala contígua aos dormitórios, pelos peregrinos do Caminho Português saídos do Porto ou de Valença, aqui juntámos-nos para partilhar o caminho já feito e traçar o plano para a etapa do dia seguinte. [*a noite apesar de tudo foi tranquila e sem sobressaltos]


Nota importante: os albergues municipais não se reservam e são ocupados por ordem de chegada. Para quem não conhece, assemelham-se em muito a hostels.


Sem comentários