Escrita Criativa


Não me lembro de quando comecei a escrever, mas pela quantidade de cadernos e blocos que acumulei ao longo dos anos parece-me que foi quase desde o dia em que aprendi a escrever. E foi, desde sempre, através da escrita que aprendi a me expressar de forma livre, a dizer aquilo que queria e sentia e, que muitas das vezes não conseguia transformar em um som que saísse pela minha boca. Na verdade, escrevo porque liberto em mim um sentido criativo, um sentimento autêntico, uma forma de estar na vida que cria memórias que podem ser recordadas a cada vez que volto para reler.

Há já algum tempo, também por culpa do blog, que pensava em fazer um curso de escrita criativa, mas procurava algo descontraído sem exigência profissionais, e foi por acaso que um dia, enquanto percorria o feed do facebook que dei de caras com o workshop de escrita criativa da Rita da Nova e foi sem pensar duas vezes, que enviei o email e decidi, por intuição, avançar.

No dia marcado lá estava eu, num lugar que não conhecia, com mais 5 mulheres, um bebé, dois gatos, a promessa de que seria um dia de 'introdução à escrita criativa, com alguns exercícios para desbloquear a escrita e dar ferramentas para começar a escrever quando estamos mais parados.' e a curiosidade imensa de saber se o processo criativo que achava encerrado em mim há algum tempo ainda estaria vivo ou não.

Foi um dia intenso, a mão doeu de tanto escrever, mas as palavras brotavam umas atrás das outras a cada exercício, e mesmo quando pensava que a ideia se esgotava havia mais um clique e dentro de mim nasciam histórias que nunca tinha imaginado. E na minha eterna certeza, de que por vezes me falta a inspiração, aprendi, naquele dia, que a inspiração não existe por si só, mas é fruto de um trabalho que fazemos com a nossa imaginação sempre que estamos dispostos a isso.
Embalada por esta nova certeza recomecei a escrever e agora sinto-me pronta para o nível II, desta vez para escrever sobre personagens e emoções. Vamos lá!


Sem comentários