Hikidashi

Há já algum tempo, que é como quem diz três anos, que sempre que passava na Rua Coelho da Rocha, a caminho de Campo de Ourique, que olhava através da montra para aquele restaurante que se desenha na média luz e pensava: “Um dia vou entrar aqui”. Aos poucos, em conversas perdidas, o nome Hikidashi - Taberna Japonesa foi surgindo e a promessa de que seria a melhor experiência de sushi, aguçavam a curiosidade. Seria mesmo assim?!
Então um dia foi o dia, e em véspera de feriado lá estávamos nós, sentadas na mesa junto ao balcão, a espreitar entre pratos o trabalho do sushiman e curiosas com o que a noite nos ia reservar.
O atendimento foi feito pela simpática Vanessa, conhecedora profunda de todas as escolhas que fizemos e que após o pedido feito disse que a escolha tinha sido perfeita. E porque o melhor deve ser partilhado aqui está o pedido:
  • New style sashimi mix, que em tudo se assemelha um carpaccio de peixe, tendo em conta a forma super fininha como as fatias estão cortadas. Foi o primeiro a chegar à mesa e logo ali arrebatou-me.


Depois de uma rajada chegaram os outros pratos:
  • Sashimi de Toro, que não é nada mais, nada menos do que o filé-mignon do atum;
  • Shake Hara, barriga de salmão com molho ponzu, ovas e cebolinho, a elevar o sabor do salmão para um outro patamar;
  • O uramaki Ebitem, com destaque para a tempura de camarão que combina com o abacate as ovas;
  • Soft Shell Crab, um uramaki com uma tempura de caranguejo que faz transcender a experiência que estávamos a ter até aquele momento;
  • O Salmon Tartar, salmão picado com mostarda, kizami e cebolinho, que deve ser misturado com a gema do ovo de codorniz e o molho que acompanha. Simplesmente uma mistura de sabores única.


Perdidas que estávamos, surpreendemos-nos com a chegada do Ussuzukuri, as lâminas de peixe, sobre gelo e com molho ponzu, e que neste dia eram de pregado.


Logo de seguida, chegava o Pantanal com as suas fininhas fatias de pepino, que mal se identificavam entre a tempura de camarão, a maionese japonesa picante, o salmão e as ovas.


Do pedido inicial faltava apenas um prato, o niguiri de Wagyu e Foie Gras, que propositadamente seria deixado para o fim, mas não porque não estivéssemos satisfeitas mas porque queríamos prolongar a experiência ao limite, arriscamos em mais 2 Gunkan Freestyle, e: "Meu Deus...", se valeu a pena a audácia.


Fechamos com uma sobremesa, porque se era para experimentar, seria do princípio ao fim e por isso acabamos com um Coulant de doce de leite com gelado de baunilha e até aqui fomos surpreendidas.


Não vamos fazer de conta e dizer que uma experiência desta não tem um preço por pessoa à altura, sim tem, e não é barato, mas não é todos os dias que sou surpreendida com a mistura de sabores, com a frescura dos ingredientes, com a precisão do corte do peixe, por isso sim, não é o mesmo que ir comer ao sushi ao all you can eat, ou até mesmo a outros sushi que estavam no meu top, foi simplesmente uma experiência de outro mundo e sai de lá com a certeza absoluta de que comer sushi nunca mais será o mesmo!
A partir de agora, há a Hikidashi - Taberna Japonesa e uma linha que a separa de todos os outros japoneses.

Sem comentários